Total de visualizações de página

sexta-feira, 20 de maio de 2011

SABER CALAR, SABER QUERER, QUERER OUSAR E OUSAR QUERER.

Como posso estar aqui escrevendo? Como posso estar aqui...como posso? É o fim...tudo acabou, meu casamento acabou, minha vida acabou, meus sonhos...TUDO ACABADO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Olho em minha volta e não vejo mais nada...ou melhor, vejo é só tristeza, vazio...agora sim a verdadeira solidão. Uma vontade de chorarme invade mas não tenho mais lágrimas.
A garganta doe, o peito doe, a alma doe, meu orgulho doe muito mais...
Tenho medo, muito medo...quase em pânico!
O que vai ser de mim, o que vai ser  de minha vida?
Eu vivi e respirei este homem por tantos anos que nem me lembro mais quantos...conheço seus vicios e manias . Seus horários, seus hábitos...Que homem é este ,com quem eu vivi todos estes anos?



A Separação também é capaz de ensinar
(publicado no Diário de São Paulo em 24 de Março de 2002, no caderno Revista da Família)
Avaliar erros do passado, respeitar os sentimentos, pensamentos e objetivos do companheiro e dizer o que você é capaz de dar e receber na relação.

Começar de novo

O amor acabou e não resta mais nada alem da separação. Frustração, mágoa, sensação de fracasso. Ninguém gosta de olhar para trás e lembrar de todo o estrago causado por um casamento mal-sucedido. Mas, quando o período de chateação e ressentimentos passa, uma coisa é certa: a experiência valeu como nunca. Afinal quem viveu mais de um casamento sabe que os erros cometidos no primeiro geralmente não se repetem no segundo.

"Casamento é uma verdadeira aula de convivência. Mesmo que o processo tenha sido doloroso, a pessoa sempre aprende alguma lição", comenta a psicoterapeuta Mônica Levi, autora do livro um Novo Começo (Editora Gente). Segundo ela, comunicação, respeito expectativas e renúncia são os principais pontos que levam o indivíduo a repensar suas atitudes após uma frustrante separação.

"O importante, neste momento, é perceber de fato as mudanças. Ao entrar em um novo relacionamento, a pessoa precisa ter em mente que a história só será diferente se ela realmente pensar nos seus erros e mudar verdadeiramente", afirma Mônica. "Não adianta manter aquela ilusão de que mudando o cenário (casa) e o personagem (companheiro), o relacionamento dará certo", acrescenta a psicoterapeuta.

De acordo com o psiquiatra Roberto Shinyashiki, o segundo casamento tem mais chances de dar certo que o primeiro. " Existem pesquisas internacionais que demonstram isso. Nos Estados Unidos, por exemplo, um estudo revela que o número de separações no segundo casamento é 50% menor que no primeiro", conta o médico.

Shinyashiki acredita no entanto, que os casais poderiam aprender muito mais do que conseguem atualmente. " O problema é que as pessoas perdem muito tempo responsabilizando o outro pela separação. E, quando se dão conta percebem que trocaram apenas de parceiro e não de história", explica. Daí a importância daquele período de entressafra.

Entressafra

"Quando o casamento acaba, é importante dar um tempo para si mesmo", lembra Mônica. Segundo ela pessoas que entram imediatamente em outro relacionamento acabam fazendo isso por solidão. "Inconscientemente o indivíduo que preencher o vazio e fugir da situação", salienta.

Para Shinyashiki, quando isso acontece, a possibilidade de erro é grande. " Nestes casos a pessoa não amadurece com a situação e repete o mesmo comportamento por achar que a culpa pelo fim da relação não tem nada a ver com ela", explica o psiquiatra.
Aprendizado

Não é preciso se aprofundar muito para explicar ao casal os pontos fundamentais de um bom relacionamento. "O problema é que as pessoas não estão abertas a comunicação. É  necessário quebrar a cara em um primeiro casamento, para depois ultrapassar estágios.
Acredito que o segundo casamento representa para a pessoa a passagem do primário para a faculdade", comenta a psicoterapeuta  Mônica Levi.
A especialista alerta aos separados que não tentem recomeçar a história, mas dar início a uma nova trajetória. " São coisas diferentes, pois recomeçar significa voltar a fazer a mesma coisa, ou seja, cometer os mesmos erros", explica.
Comparação
Apesar de inevitável, a comparação dos parceiros pode ser um bom sinalizador. Isso significa que você não conseguiu lidar facilmente com o marido ou a mulher extremamente ciumentos, procure companheiros com outro tipo de comportamento. Mas fique atento para não tornar a comparação algo do seu cotidiano, pois o seu parceiro pode ficar extremamente irritado e a cabar detonando uma crise.
Planos
Segundo a psicoterapeuta Mônica Levi, em seu livro Um Novo Começo, ela diz que as pessoas devem, após o período mais crítico da separação, encontrar meios e atividades apropriados para se proporcionar satisfação. "Neste longo caminho que percorreu irá verificar que conseguiu muitas coisas. O ser responsável por si própria, ter confiança na sua capacidade de pensar, discernir, resolver, reestruturou sua auto-imagem e autoconceito e principalmente aprendeu a se amar, sem jogar esta responsabilidade no outro", escreve a autora.
De acordo com a psicoterapeuta Mônica Levi, o desgaste da relação acontece porque as pessoas formulam o casamento, mas não o atualizam no transcorrer do tempo. "Os casais esperam que o tempo conserte tudo, mas não é bem assim. O relacionamento precisa se desenvolver assim como o ser humano", lembra a especialista.
Curiosidades
Em seu livro Um Novo Começo, Mônica Levi, cita a seguinte história: "Na Esfinge  egípcia existem quatro palavras que se ligam entre si em um símbolo: saber, querer, ousar e calar. Experimente ligá-las, saber calar, saber querer, querer ousar e ousar querer. Se você se permitir tudo isso em relação ao amor, você se arrisca seriamente, só que desta vez com grande chance de dar certo."
Enfrentar a solteirice pós-separação pode ser uma boa, como escreve a psicoterapeuta: " Ter a cama só para mim, poder ocupar todos os armários, fazer o que quiser na hora em que bem entender, sair a hora que quer e com quem quiser".

4 comentários:

  1. Parabéns! Um texto muito rico em informação e conteúdo.
    Esse tema é muito importante, muitas mulheres estão passando por esses problemas e não sabem como agir por onde começar, acham que esta tudo acabado só porque um casamento acabou, mal sabe elas que esta apenas começando uma nova etapa da vida.
    Já passei por isso também, amadureci virei dona do meu querer das minhas vontades...
    Não há mal que dure para sempre!
    É difícil mais quando as tristezas as tempestades se acalmam, fica o aprendizado as lições...
    E, eu ainda prefiro uma cama de casal só pra mim, andar nua sem ninguém pra chamar a minha atenção, sair e chegar a hora que eu bem entender.

    Obrigada pela oportunidade de ter uma boa leitura!
    carinhosamente Ro

    ResponderExcluir
  2. Eu é que fico sempre agradecida a cada comentário seu Rosângela! Simplesmente enriquecedor!
    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  3. Conviver amando no INFERNO sem dele querer desapegar-se!... Se um foge, não leva consigo a dor. A dor é de quem fica. Triste e desolado(a) e só. às raias da loucura. Quem passou por esse inferno sabe do que estou falando. Para quem sente a falta é desespero é loucura. Que virá em nada importa. Houve uma MORTE, um luto. É síndrome de pânico. Aprendizado para quê?... A psicanálise transpessoal vai além dos fatos. Não há fórmulas prontas de aprendizagem para um recomeço. Como adequar-se a um novo relacionamento sem machucar e sem ser machucado. Se o processo for CÁRMICO, aquele ou aquela que se separa em um relacionamento poderá sempre separar-se em tantos outros. E de nada vale experi~encia de ter sofrido. E diz a moça: "E, eu ainda prefiro uma cama de casal só pra mim, andar nua sem ninguém pra chamar a minha atenção, sair e chegar a hora que eu bem entender." Um belo dia amiga você sentirá que uma cama de casal só para você é uma falta de bom senso e unir-se-á a uma nova pessoa. Eu ainda acredito que o casal pode se amar sem grudar-se! Embora obedecendo os limites de quem AMA. Sair e chegar a hora que bem entender não é correto. Quem ama expontaneamente obedece regras impostas pelo AMAR. Dormir juntos é uma chateação. A menos que acidentalmente. Faz bem. Coisa ultrapassada! Enquanto andar nua sem ninguém para chamar a sua atenção é um verdadeiro castigo! Desperdício! Tentação!...

    ResponderExcluir
  4. Quem em mais de anos de 25 anos de casados não passou por situações do género, em que parece que tudo chegou ao fim, em que não há mais amor, em que aquela pessoa com quem se vive passou a um ser estranho, certamente todas já tivemos momentos desses.
    O mais dificil é quando queremos ter um diálogo e no fim sai um monólogo, ai a coisa leva mais tempo, mas não há que desistir se é isso que queremos, conquistar o nosso parceiro e salvar nosso casamento.
    Em primeiro se estamos de consciência tranquila e sabemos que durante todos esses anos demos o nosso melhor e não há nada que possam nos apontar, então não temos de nos culpar de nada. Não ter medo, se somos mulheres saudáveis com dois braços e duas pernas e uma cabeça para pensar tudo se resolve, há que tomar a nossa posição enfrentar a situação e ir á luta do que pretendemos, não nos fazermos de coitadinhas de seres indefesos e vitimas mal amadas, ISSO NUNCA.
    Em primeiro devemos pensar em nós, na nossa auto-estima, sair, levantar a cabeça, comprar roupas novas e mais ousadas, mostrar brilho mesmo até que nos seja dificil, mas mostrar-se no seu melhor, sempre em cima. Uma especialista na matéria outro dia deixava um conselho: "compre langerie nova ousada, mas não a vista deixe ficar em cima da cadeira no quarto, a jeito do seu parceiro ver, ai ele vai ficar de pulga atrás da ourelha, langerie nova?...se não a usa comigo?..." Ai ele vai ficar um pouco confuso, que é o que se pretende, fazer balançar as ideias...
    Não há receitas, não há truques, não há formulas certas, há sim sabedoria e cabe-nos a nós mulheres conhecendo a pessoa com quem partilharmos a vida saber ir ao ponto certo. Com pequenos truques e alguma imaginação, força e determinação, conquistamos a pessoa AMADA.

    ResponderExcluir