Total de visualizações de página

quinta-feira, 27 de junho de 2013

UM PÉ NA CIVILIZAÇÃO


Korina não se espanta com o que vê, ela já havia conhecido este mundo através dos seus sonhos.
Mas sentir, tocar, cheirar, presenciar...tudo isto sim era novo para ela.
O gitano providenciara vestimentas para Korina, que vivia tudo aquilo com muita curiosidade.
Foco, foco Korina...mulher de olhos negros e coração frio.
Você lutou pra chegar até aqui. O destino pai da desgraça, traçou esta trama.
Seja ele quem for. jogou com três vidas e sabe Deus com quantas mais...
Jogando com ele,a favor dele, ou contra ele ...não importa, você chegou até aqui.
Bem vinda ao mundo que levou a sua mãe a mergulhar na natureza.
Só você poderá correr atrás do seu passado.
Este mundo, este mundo que hoje se apresenta a sua frente é diferente do  mundo em que você cresceu.
O chão que você pisa aqui, é petrificado.
O cheiro é fabricado e vendido por moeda que você nunca ouviu falar.
Os corpos são cobertos, porque as pessoas conhecem a maldade do sexo.
As plantas que nascem e crescem por conta próprio em seu mundo, aqui vivem em prisões, assim como os pássaros e os animais. Mas não se assuste, os homens civilizados são assim , tudo que eles gostam e enchem seus olhos eles querem prender pra si.
Não conhecem o amor livre, desconhecem a dor da gaiola.
Não conhecem a beleza da chuva , ignoram a necessidade do sol.
As folhas são puro mato..as caças, ah as caças...não passam de carnes podres.
Tão podres quanto os homens que as comem.
Não se isole, não ande só, não confie em ninguém...
Não mostre medo, e não se desarme...os homens civilizados usam a arma da traição, são como os coites que atacam em bando e a noite.
Os conselheiros , os mais velhos...são os jovens trapaceiros que  criaram cabelos brancos.
Korina observa atenta a cada palavra que o gitano pronuncia.
Busca assimilar tudo, como uma aprendiz que é.
Metade de Korina é uma loba, doce , suave, inteligente e linda... linda como sua mãe.
Mas a outra metade...obscura, movida pelo frieza do seu objetivo.
Encontrar a loba e o caçador... o bem e o mal,a graça e a desgraça que deu origem a sua vida!


Ensinamento de Meishu Sama:
O BEM E O MAL
O Bem e o Mal estão misturados neste mundo e se manifestam sob diversos aspectos. A tragédia e a comédia, a infelicidade e a felicidade, a guerra e a paz, são sempre motivadas pelo Bem e o Mal. Mas porque existem homens bons e homens maus? Deve haver alguma causa fundamental que os origina e esta causa precisa ser conhecida.
Evidentemente, todo ser humano deseja ser bom. Ninguém gosta de ser mau. Tanto no campo da política social como no terreno da família, todos, salvo algumas exceções, amam o bem por inclinação natural, porque sabem que a paz e a felicidade não nascem do Mal.
Vou definir o homem bom e o homem mau.
O homem bom acredita no invisível. O homem mau não acredita no invisível. Quem acredita no invisível, acredita na existência de Deus; em outros termos, é espiritualista. Quem não acredita no invisível, é materialista e ateu.
Quando um homem pratica o Bem, seus pensamentos emanam do amor, da misericórdia, da justiça social e, em sentido amplo, do amor à humanidade. Há homens que praticam o Bem por acreditarem na lei do karma. Ajudam os outros por compaixão, imbuídos do pensamento budista de retribuição das quatro obrigações.
Não desperdiçar as coisas, agir com simplicidade e frugalidade – são algumas das manifestações do Bem. O homem de fé sente-se grato a Deus. A atitude de agradecimento, o esforço para submeter-se à vontade de Deus – estão entre as principais manifestações do Bem.
Vejamos agora a psicologia do homem mau. Quem pratica maus atos não acredita absolutamente na existência de Deus. Essas pessoas pensam que podem praticar qualquer maldade para se beneficiarem, desde que consigam fazê-lo às escondida. Têm pensamentos niilistas, iludem os outros como se tratasse da coisa mais comum, prejudicam o próximo sem pensar nas perturbações que causam aos homens e à sociedade. Em casos extremos chegam até a perpetrar assassínios. A guerra é um assassínio grupal. Os heróis da antiguidade provocavam grandes guerras para alimentar o seu desejo ilimitado de poder e procediam de acordo com o lema segundo o qual " a razão está com quem detém o poder".
Mas há um velho ditado que diz: " Enquanto os ventos lhes são favoráveis, o homem vence até o céu; quando o céu decide, entretanto, o homem é subjugado". O homem mau pode prosperar durante algum tempo, mas o seu fim será sempre um destino trágico. Isto é claramente demonstrado pela História. O motivo de sua ruína, naturalmente, foi o mal que praticou.
Essas pessoas, porém, creem que obter vantagens à custas dos outros é até uma prova de esperteza e por isso praticam o maior número possível de atos malignos, para poderem levar uma vida faustosa. Elas também pensam que não existe vida no mundo espiritual e que o ser humano, após a morte, fica reduzido a zero. É através desses pensamentos que surge o Mal.
No entanto, ainda que esses indivíduos tenham sorte, o seu sucesso é apenas temporário. Se as observarmos com uma visão ampla, vemos que um dia acabam sendo infalivelmente destruídas.
Quem erra praticando o mal, vive sempre intranquilo  no terror de ser descoberto e preso a qualquer momento. E torturado pelo peso da consciência, terá de se arrepender fatalmente.

Muitas vezes, uma pessoa que cometeu um delito acaba por denunciar-se a si própria. E não raro, ao ver-se presa e condenada, fica até contente, sentindo-se aliviada. Isto acontece porque a alma, dada por Deus, foi repreendida por Deus. Porque a alma se comunica com a divindade através do fio espiritual. Portanto, quando um homem pratica o mal, mesmo que iluda perfeitamente os olhos dos outros, não consegue iludir-se a si mesmo. Através do fio espiritual que liga o homem à divindade, Deus conhece detalhadamente todos os atos do ser humano. Todas as coisas que o homem pratica ficam registradas no Livro de Yama ( O Senhor de Hades, o Rei do Inferno).



sábado, 8 de junho de 2013

KORINA FALA


korina começa apresentar ardência de febre.
O gitano de alma selvagem começa a buscar em meio a natureza folhas para preparo afim de resgatar Korina de um mal que ele não sabe o qual ela sofre.
Acampados próximos ao rio ele transportava água fresca para banhar a fronte da aborígene que estava totalmente a sua mercê.
Korina em meio sua febre esboça um sorriso para o homem, e ele desconcertado percebe se tratar somente do delírio em que a moça sofre.
Korina com os olhos quebrados , levanta sua mão direita e acaricia o rosto do gitano.
Mãos suaves ele sente, e retribui alisando os cabelos negros de Korina.
Ele dá-lhe mais um pouco de água, e korina balbucia um nome.
Mas sua voz está ainda tão fraca que não dá para compreender.
A atração dele por ela é gritante, trata-se de uma beleza estonteante.
Assim passam os dias entre levantar acampamento, percorrer trilhas, saúde de Korina, deitar acampamento...tocar sua musica, olhar nos olhos , para a beleza da moça e se perguntar: De onde ela vem?
Já  beira da floresta o gitano avista as primeiras luzes de civilização.
Korina agora mais calma segue conduzida pelo homem, em seu coração uma afirmação se faz:
Estou indo de encontro ao meu passado.
E é este homem alto, de olhos azuis e cabelos negros que me levará até ele.
E como um grunhido Korina olha para o gitano com um olhar brilhante  e pronuncia: LOBA.




terça-feira, 4 de junho de 2013

BICHO DO MATO



korina abre os olhos e antes que recupere totalmente os sentidos ela mergulha nos olhos do andarilho gitano.
Um homem alto de pele branca porém queimada pelo sol,
cabelos longos , lisos e negros. Na orelha carregava uma argola de ouro que refletia na luz do dia que despontava.Sua camisa branca semi aberta, calça preta e botas longas de couro , trazia na cintura uma faca, e nas mãos anéis que reluziam.
 Korina acostumada com a imagem dos homens da tribo ficou atordoada, fascinada  e amedrontada a esta altura ao se ver sozinha ao lado de um ser totalmente estranho ao seu mundo. 
E como puro instinto se levanta num pulo e se coloca em posição de ataque e defesa. 
Um rosnar sai de sua garganta, seus olhos negros agora fitam o gitano com um  brilho de desafio.
O homem se levantou lentamente e como um caçador se movimentou.
Dois guerreiros frente a frente...como não havia caça e caçador.
O combate não se fazia necessário... mas o homem se colocou em posição de aguardo.
Korina mostra seu longo corpo esguio, sua pele bronzeada pelo sol, seus seios rijos e seus longos cabelos que balançam na frente do homem que espreitava pelo seu ataque.
O gitano observa fascinado... não podia deixar de observar a beleza encantadora da mulher que se exibia a sua frente completamente nua., seus músculos definiam sua feminilidade ao mesmo tempo que estampavam sua força.
Olhos nos olhos, respirações compassadas, coordenações nos passos e gestos apresentavam ali dois exímios lutadores.
E por um instante Korina  ainda franca sentiu naquele homem a lembrança do caçador caçando sua mãe.
E num uivo estremecedor ela lançou-se sobre o homem, despejando sobre ele a dor que viu nos olhos da sua mãe. 
Sua raiva  de não saber sua verdadeira historia, sua revolta para com o caçador que feriu a ponto de morte a sua mãe. 
Seu corpo grudou no homem numa violência sem tamanho...golpes eram desferidos com o objetivo de mata-lo e vingar-se de  toda sua triste historia.
O homem com sua habilidade e consciência ao ver que  se tratava de um ataque de defesa, conduzia a luta tentando não ferir Korina, que logo começou a dar sinal de fraqueza e tombou desmaiada novamente.
E o gitano agradecido aos céus por encerrar aquela luta, socorre mais uma vez a bela jovem, carregando-a em seus braços totalmente seduzi-lo pela  sua beleza.