Total de visualizações de página

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

ENTRE O AMOR E O ÓDIO



Raios e trovoadas cortam o ar do seu aposento, Korina percebe nos olhos dos seus cães
a emboscada que esta a sua frente, seu coração esta lhe pregando uma peça.
A senhora de Hades  joga com  fúria a flor ao chão e rasga o bilhete.
 Irada retorna ao seu quarto e de frente ao espelho  enxerga a imagem de sua mãe.
Revoltada consigo mesma ela brada: Estou aqui para vingar e não para amar,
minha missão não pode ser destruída com um  comportamento idiota  de ser mortal.
Mister Gordam é o caçador que matou a presa errada e agora esta sendo caçado por mim.
Não vou  cair em sua conquista barata ,ele pagara por tudo que fez, eu prometo!
É pra isto que estou aqui!

Korina, abre seu armário e troca de roupa... escolhe a cor do seu espirito.

De posse de uma saia godê de couro preto até  a altura dos joelhos ,uma blusa de seda pura cor de uva com mangas longas. Nos pés um "peep toes" de couro preto , uma carteira de mão de camurça verde musgo. Um par de brincos  de ouro amarelo em  filigrana com pedrarias. No  cabelo  pequenas tranças  na lateral esquerda. Braceletes e  grandes anéis em ouro compunham seu visual.
 Uma bela e  sedutora mulher  se constrói ...

De repente uma sensação estranha tomou Korina de surpresa, no pensamento uma voz suave e conhecida sussurrou : -Não esqueça o perfume! A Senhora de Hades  nunca havia usado perfume. E então o pensamento se completa:
-Perfume de Jasmim! 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

PROVANDO VENENO



Korina acorda preguiçosa, sua cama com lençóis de seda convidam seu belo corpo a permanecer mais um pouco sobre ela.
Korina divaga em seus pensamentos, ora sorri , ora enrubesce.
Senta-se na cama e dobra suas longas pernas torneadas, e cheirando puro feromônio se acaricia suavemente. Seus cabelos se espalham sobre suas costas nuas. E o quadro que se pinta é o de uma bela mulher in natura desabrochando como uma flor, pronta para ser colhida.
Ela escorrega seu corpo até a beira da cama , planta seus pés descalços no chão e se levanta.
Com a ponta dos dedos ela penetra por baixo da alça da camisola e a  faz cair , deslizando por seu esguio corpo moreno.
Pronto, sua nudez selvagem desfila pelo quarto até chegar ao banheiro que a espera para banha-la em águas fria. Quanto tempo ela leva ali não sei precisar, e nem Korina  computou pois seus pensamentos viajam por estradas nunca dante percorrida. A porta do seu aposento se abre e Korina se apresenta maravilhosamente feminina num vestido longo  de saia rodada  com uma loga fenda no lado direito que ia até a altura da coxa, na cor purpura de puro algodão.
Seus cães veem a Senhora de Hades como nunca haviam visto.
Um deles se aproxima com um vaso de Orquídea Dourada de Kinabalu e um bilhete na mão.

Korina se perde num sorriso de mulher apaixonada.
Segura a flor extinta e se joga no chaise  long vermelho da sala de estar.

No bilhete:

"Para uma encantadora lobinha, uma flor tão rara quanto ela.
E também assim estarei mais perto de você.
Bjs com carinho.
MISTER GORDAM "


Os olhos da Senhora de Hades brilham como um relâmpago cortando o céu em tempestade, deixando seus cães irrequietos.

sábado, 23 de novembro de 2013

FLORES DO MAL


A Senhora de Hades está fascinada pelo homem que está a sua frente, uma mistura estranha  de sentimentos.
O ódio e o amor travam um luta insana tendo como aliados o  fascínio, o encantamento, a sedução...
Garfos, facas e taças se movimentam durante o jantar que segue numa falsa leveza.
Korina percebe o olhar atendo de mister Gordam , que busca com perguntas discretas desvendar o mistério daquele jantar.
Korina no entanto faz perguntas mais subjetivas.
Mister Gordam não deixa de transparecer seu fascínio por Korina, e ela por sua vez mede forças com ele.
Quando o jantar termina, eles passam para uma outra sala da suite, e lá desfrutando de um doce licor mister Gordam solta mais uma de seus encantos quando declama para Korina os seguintes versos:
"Se Deus
Me fora tão clemente
Aqui neste ambiente
De luz, formada numa tela
Deslumbrante e bela...
Teu coração
Junto ao meu lanceado
Pregado e crucificado
Sobre a rosa e a cruz
Do arfante peito teu.."
Pelo inesperado ato Korina enrubesce, e  deixa transparecer  em seu cenho. Então numa risada suave , grave e quase infantil , mister Gordam completa: É um trecho da música  Rosa de composição do grande Pixiguinha. "Tu és divina e graciosa,estátua majestosa do amor..." Você conhece?
A Senhora de Hades sorri, num sorriso falso e se enche  de ódio por dentro. Está sentido neste homem um inimigo mais forte do que imaginava. E suas demonstrações de oscilação a deixa vulnerável. Por frações de segundos pensa e como uma flecha dispara contra  seu inimigo.
"Toda minha vida por qual estive esperando
Neste perfume de dor
Para esquecer quando precisei de mais
Do eterno estribilho do amor
Vivemos
E oramos
Caia as flores do mal
Eu perdi meu caminho
O que está feito retornará de novo?"

Então é a vez de mister Gordam não entender o recado... Korina quase diz seu objetivo a ele, e numa gargalha ela completa: - Calma mister Gordam, antes que pense que sou uma mulher sofrida, antecipo que este  é  o trecho de uma canção também, que gosto de ouvir . É de Sara  Brightman - Fleurs Du Mal -  quis  te dar o troco por  me pegar desarmada.
E num galanteio ele responde: Mas que sensação excitante, saber que pude pega-la despida de armas, já que ouço tanto o quanto é difícil  aproximar de você. És uma bela mulher e conhecedora do fascínio que causa nos homens.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

QUANDO AS TREVAS SE CRUZAM


Korina estende a mão a mister Gordam e neste exato momento seus olhos se cruzam.
Como descrever este momento, quando dois pares de  olhos negros se cruzam, se tocam pela primeira vez?
A escuridão se completa, as trevas se encontram  o breu é a unica palavra que pode  descrever  tal momento.
O sorriso suave de mister Gordam não condiz com a escuridão do teu olhar.
De corpo meio curvo , cabeça cabisbaixa, gestos leves e voz mansa....assim é o homem que se põe a frente da Senhora de Hades.
As pupilas de Korina se dilatam...e neste momento em sua mente vem toda a dor que ela assistiu  de sua mãe.
Ela sente a respiração ofegante de uma loba se contorcendo de dor, um uivo de sofrimento ecoa em sua mente quase a ensurdecendo. 
E a lembrança do motivo que a colocava frente a frente a este homem  veio em seu pulso ao apertar fortemente a mão daquele homem.
Korina não estava só naquela batalha, a presença de sua mãe era muito forte, e isto a deixava ainda mais forte.
Um sorriso inocente e altamente sedutor brota dos lábios de Korina, seu corpo se contorce como  de uma serpente envolvendo sua vitima.
Ela sabe que aquele homem não é uma presa comum...se suas informações estiverem certas, se sua busca foi certeira , ela esta de frente com o caçador que feriu uma loba e deu vida a Senhora de Hades.
Os olhos de mister Gordam não deixavam de brilhar com tamanha beleza , mas também não escondiam a interrogação do convite  para estar no sacro aposento daquela jovem tão desejada.
Ele se aproximou do bar e pegou duas taças  derramando suavemente o vinho e oferecendo a  Korina.
De olhar tão sedutor quando o da jovem  que se posta a sua frente ele eleva  taça e antes de brindar
como num ritual ele  sussurra:
Um momento único de reunir nossos cinco sentidos  Korina, leve sua  taça ao nariz e sinta o olfato representado pelo aroma . A boca sendo representada pelo paladar.
Num gesto rápido porém suave - aperta a mão de Korina na taça e,  sinta-o pelo tato, observe a  cor ,e num tilintar de taças  você pode ouvir o que não há possibilidade de ser ouvido.

E ao sorver o vinho perante a presença daquele homem, Korina desejou, por  uma fração minima de segundos que aquele homem não fosse a presa que tanto caçou.



domingo, 10 de novembro de 2013

SUAS MÃOS TRANSPIRAM ENQUANTO SEU CORAÇÃO DERRETE





Lua cheia numa noite de quinta-feira  21h cravados, a campainha do quarto de Korina dispara junto com seu coração, à porta quem aguarda é o tão esperado Mister Gordam.
Korina está belíssima dentro de um vestido longo de tecido leve que molda seu corpo delineando todas as suas curvas. A cor amarela contrasta com sua pele bronzeada e seus cabelos negros que estão soltos e impecavelmente escovados. Sua maquiagem marcante dá destaque ao seu olhar negro como as trevas.
Seu perfume  Jicky isala pelo ambiente sofisticadamente preparado para o momento.
Seus sapatos dourados da Jimmy Choo deixam seu porte ainda mais elegante.
Suas joias encomendadas para este momento único completam a beleza do conjunto.
A senhora de Hades se sente poderosamente dentro do controle de toda a situação., e ordena que a porta seja aberta.
Sentada no sofá da ante sala  ela aguarda que seu convidado adentre.
Segundos transformam-se em horas...no pensamento de Korina passa um filme em rotação acelerada.
Sua vida, sua historia , sua busca...estão neste exato momento para serem desvendados.
De repente ela sente sua mão transpirar... parece que o gelo do seu coração começou a derreter.
Sua emoção esta querendo tomar conta da situação que esta por vir.
Ela então reage de uma forma brusca e antes que o seu convidado adentrasse a sala ela dá um sinal ao seu cão e retira-se rapidamente.
A senhora de Hades correu para seu quarto em busca do seu auto controle.
De fronte ao espelho ela se observa assutada...pela primeira vez a menina Korina se vê indefesa.
A possibilidade de estar frente a frente com o seu suposto pai a deixa suando frio.
Korina então de posse do seu perfume , esborrifa para o ar e o respira fundo buscando o seu instinto predador. E em segundos o seu olhar volta a brilhar como um iceberg.
Quando ela abre a porta do seu quarto para retornar a sala sente  o perfume  de Mister Gordam que  já havia impregnado o ambiente.
Korina estremece novamente, parece que a noite da caçadora não esta sendo favorável.
Ela busca alimentar suas lembranças afim de dar continuidade ao seu tão elaborado plano.
Então ela observa no meio da sua sala o homem que esta de costas e distraído  perto da  mesa. 
Um homem alto  de pele morena e cabelo ligeiramente grisalho, vestido com um terno de fino corte escuro, e de   postura esguia mostrando  toda sua elegância.
O olhar de Korina fica parado sobre aquele homem e antes que ela se anuncie , ele percebe sua presença e se volta rápido feito uma águia, tomando Korina no susto.
E então com um leve sorriso estende-lhe a mão e a cumprimenta:
Boa noite Korina, agradecido pelo convite!





terça-feira, 15 de outubro de 2013

DEVORANDO UMA PRESA



A senhora de Hades sai da piscina como um furacão, feito uma devastação que passa sem  apiedar-se  de nada.

Sim, ela realmente estava reabastecida em suas energias.
Já em seus aposentos com um simples inclinar de pescoço se fez entender que não queria ninguém a sua volta.

Seus cães trataram de evacuar a área e a deixar a vontade.
 Korina então sentou-se a mesa  e começou a escrever.
Riscava, desenhava, esboçava algo que parecia só ela entender.
As horas passavam e ela  estava presa em seus intermináveis rascunhos.
Já se faz tarde e os serviçais queriam servi-lhe  a refeição, mas seus cães não deixavam que nem uma mosca atrapalhe-se  sua concentração.
De repente Korina solta um grunhido, talvez de fome, talvez de cansaço  ou quem sabe os dois. Rapidamente seus cães entram para saber se ela deseja algo.
 Ela pede para  lhe servirem  carne vermelha.
Enquanto Korina de banha  e se lambuza em seus cremes, tudo é preparado nos mínimos detalhes para o seu agrado. Seu personal Hair já a aguardava ...  e eis que Korina sai da sala de banho envolta num roupão de seda vermelho que desenhava todo seu corpo e mostrava duas coisas: Sua sensualidade e a sua nudez sobre o roupão.
Os olhos dos serviçais se baixavam e seus rostos se ruborizavam enquanto seus cães de olhares gélidos pareciam indiferentes a tamanha beleza.
Seus cabelos são escovados enquanto Korina se mantem distante de tudo a sua volta.
Seu almoço chega e a Senhora de Hades come como se devorasse uma presa regado a um belo vinho tinto.
Com os olhos vidrados ela saboreia até a ultima garfada.

Então num gesto quase que angelical estende sua mão para um dos seus cães , que a segura quase que num reflexo.
Ela então sorri, caminha até a mesa onde deixou suas anotações, pega um papel escrito e o entrega dizendo:

QUERO MISTER GORDAM EM MINHAS MÃOS!

sábado, 28 de setembro de 2013

QUEM EMERGE É A SENHORA DE HADES


O dia amanheceu com um sol lindo iluminando o céu.
Korina acorda com um sorriso nos lábios  como nunca fora visto, 
 até seu personal hair  sentiu seu feromônio.

E assim como sua mãe, Korina sente necessidade do contato com a natureza, e o mais próximo disto era a piscina do hotel...

Bem, ela levanta se espreguiçando como uma gata selvagem.
Segue para o banho e ao passar pela frente do espelho  se observa...

Se banhou e vestiu um micro biquíni com estampa de leopardo da Kenzo.
Uma saída de banho longa de crochet em linha de seda perola faz com que a senhora de Hades mostre toda sua sensualidade e  a ingenuidade aparente.

Sentada a mesa para o seu desjejum ela consegue até cantarolar - e o pensamento lá em você... - feliz pela conquista de um nome.
Entre um gole de chá gelado e uma torrada Korina suspira e fala baixinho:

- Ahhh mestre Gordam, finalmente um nome.

Seus olhos negros brilham como brilhantes ao sol.
Seus dentes aparentes, para os que estão em sua volta é motivo de admiração, mas para os seus cães é sinônimo de alerta.

Korina desce o elevador e quando a porta se abre todos param para vê la desfilar até a piscina. Os bom dia cantado por todos não chegam aos seus ouvidos.
Quando chega a beira da piscina pára, retira a saída de banho, entrega nas mãos de um serviçal... e 
Num salto transforma-se numa sereia cortando as águas que se estremecem ao seu toque.
Mergulha, nada, emerge , mergulha novamente seus cabelos negros brilham refletindo os raios de sol.
 Sua pele bronzeada é de beleza imensurável, o corpo mais parece uma leoparda correndo em meio a selva.

Sim ... a filha do caçador com a loba virou um animal enigmático, herdeira de uma personalidade única e que  brinca na água  como uma criança inocente.

De repente a doce Korina emerge e seu olhar negro procura  e cruza com os dos seus  fiéis cães, quem emerge é a Senhora de Hades!



quarta-feira, 4 de setembro de 2013

FOGO - GELO E UM NOME

.
A porta do carro se abre e korina é recebida por uma mão masculina, vestida em luvas brancas.
Seus pés pisam no chão com a leveza de duas patas de uma loba... um pé pós o outro exibindo sua elegância.
A saia cai em câmera lenta ,   e numa sutileza  a Senhora de Hades se apruma e adentra a festa .

Os olhares todos se voltaram para a porta quando sua presença é anunciada. Parece que  facho de luz desce em sobre sua cabeça acendendo toda a sua beleza. Seu rosto brilha como uma pedra de diamante. Descrever sua expressão  assim é expor sua alma em público. 
Uma pedra rara , cara ,bela, dura e fria, eis Korina.
Mas as pessoas presentes estavam muito curiosas e sedentas por Korina para perceber  sua  real intensão.
Seu personal hair saltitava ao seu lado extasiado com tanto luxo, e os seus cães pareciam verdadeiras estatuas de pedra ao seu lado.

Dona de uma beleza estonteante Korina ouve a voz da anfitriã que segue sorridente em sua direção.
-Korina!!!!!!!!!!
Seja bem vinda a minha humilde residencia!
Korina abre seu sorriso contagiante e agradece a receptividade.
Os convidados sorriem, cochicham  entre si, e a felicidade de estarem ali para recepcionar aquela mulher belíssima estava estampada nos quatro cantos do ambiente.
Para o suspiro de todos, um  dos empresários presente  oferece a Korina uma taça de  - rum Wray and Nephew (simplesmente a bebida mais cara do mundo).

Todos sem exceção ali, alimentam o sonho de possuir aquela 
mulher.

Korina agradece  e brinda  com todos , e logo  segue em sua caçada... seus olhos são de águia  e seu foco ninguém tira.

Uma orquestra anima os convidados com músicas selecionadas ao gosto de Korina -TANGO.

As horas passam, as taças circulam, a musica anima... o jantar é anunciado.

Korina é a atração da noite e tem seu lugar a mesa reservado a direita da anfitriã.

Para delírio de todos Korina e sem que ninguém percebesse banhou-se  e trocou o look por completo.

A Senhora de Hades se apresenta toda de negro -  um vestido longo, justo,  de renda bordado em paetê   com mangas longas abotoado no pescoço .

 As  costas exibi toda sedução de Korina - um decote  que desce até os quadris e uma fenda que sobe até o alto da coxa. 

O cabelo  um coque bem no alto da cabeça, um par de brinco de ouro black com um pingente em gota de diamante negro. 

Sandálias de camurça e uma maquiagem nude com destaque nos olhos negros.

Ela conseguia fazer os homens se contorcerem de desejo por ela, e as mulheres...ahhh as mulheres, estas se roíam em sorrisos falsos de inveja e medo de perderem seus maridos e acompanhantes.

Os flash que perseguiam Korina a noite toda a deixam mais predadora... e sem que ninguém percebe seus olhos cruzavam com seus cães em busca de informação.

Jantar servido, brindes, risadas e mais brindes e dentro da conversa
 animada a anfitriã pede desculpas a Korina pela ausência de um 

dos convidados o  empresário MESTRE GORDAM.

Os olhos da Senhora de Hades acenderam como fogo e seu sorriso  virou um iceberg.

E sem deixar transparecer Korina agradece pela belíssima festa e se despede, levando consigo vários corações aprisionados e


 um nome... MESTRE GORDAM.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

SENHORA DE HADES A DONA DO MUNDO





Korina chega na cidade  se aloja em um hotel de luxo , e começa a providenciar o seu novo visual.

Montou seu guarda roupa  com boas marcas, e pelo visto pretende passar um bom tempo ou tempo suficiente para realizar seu plano.
Seus capangas foram montados em bons ternos e viraram seus seguranças.
De olhos negros brilhantes e vivos , dona de uma  grande perspicácia Korina entendia bem que na cidade 
o poder do dinheiro fala alto e compra qualquer serviço.
Hora de começar a montar sua estrategia.
Korina solta seus cães para caçarem informações sobre o suposto caçador.
Enquanto isto ela começou a se relacionar com profissionais que lhe trariam retorno rápido.
Korina começa a  promover festinhas em sua suite.
A senhora de Hades sabe muito bem como agir.
Logo esta sendo fotografada para colunas sociais, todos querem saber e ver a beleza daquela mulher que chegou como uma tempestade na cidade, inundando as rodas sociais com seu brilho e glamour.
Apesar de ter nascido no meio da selva Korina carrega a genética da mãe e é possuidora de estremo bom gosto.Sem poder deixar de esquecer que  o mau é a sua fonte de alimento e sustento.
Sabe muito bem como se portar como uma lady perante as pessoas.
Os homens ficam enlouquecidos com o cheiro de carne nova no mercado.
Presentes são recebidos na recepção do hotel todos os dias... de flores, joias, bombons, roupas de luxo a  uma infinidade de outros mimos.
Com a mesma intensidade  de desejo de posse  que ela despertava nos homens, a inveja e insegurança era despertada nas mulheres que tentavam copia-la de todas as formas.
Seu comportamento dissimulado conseguia despertar o instinto de proteção dos homens que faziam de tudo para demonstrar que eram merecedores da sua confiança.
Senhora na arte de iludir caminhava com frieza e determinação, sem perder o  foco da sua missão.
Um jantar na residencia de uma socialite foi oferecido para receber a Senhora de Hades.
Grandes nomes estarão presentes, empresários, políticos, nomes influentes, jornalistas famosos, enfim.
Korina tinha certeza que sua imagem se tornaria publica e que suas fotos estariam estampadas em todos os jornais. 
O seu caçador ( caçado) tomaria conhecimento do seu rosto com toda certeza.
Korina se prende a cada detalhe de sua produção.
Com o olhar frio e nervos de aço ela aguarda tranquilamente enquanto observa seu personal hair pra lá e pra cá organizando sua produção.

Seus cabelos negros  foram presos num grande coque na altura da nuca , deixam seu rosto exposto para realçar sua maquiagem.

 Olhos  trabalhados estrategicamente, eles precisam falar por si, carregam um papel importantíssimo nesta missão e korina tem consciência disto.
Marcados com delineador preto e longos cílios postiços são carregados na sombra dourada e marrom  sobrancelhas bem desenhas,  maçãs do rosto  realçadas com blush no tom   cobre dão mais vida a sua pele levemente bronzeada, a boca um batom cor de boca...que a deixa com a sensualidade aflorada.

No pescoço uma coleira que se fixa pelas  laterais em formato de um bracelete todo confeccionado em  grampos de ouro intercalados com bolas de cristal fume ligado por um pingente em formato de leque que tomava todo seu colo também em grampos de ouro e bolas de cristal fumê HS.
Seu vestido D&G de seda ocre indiano possuía um leve bordado em fios de ouro - um tomara que caia, acinturado de saia volante  até os joelhos e com uma longa fenda que exibia propositalmente sua coxa esquerda. 
Sandálias e carteiras LV de couro laranja .
 Perfume da Channel.
Mortificamente  sedutora Korina sai do hotel acompanhada com seus seguranças e seu personal hair a tira colo.
A bela moça sabe o que pretende e esta apostando alto em seu projeto.  
Aposta a própria vida.
Será que a Senhora de Hades irá encontrar seu pai?

terça-feira, 30 de julho de 2013

A CAÇADA DE KORINA


Quanto tempo se passou não sei precisar...mas num mês nono,  Korina sofrendo com seu inferno astral ardia em dor, dor das lembranças que não se apagavam, da angustia em encontrar sua verdadeira historia, do veneno que convivia com o propelente dentro do seu peito.
A senhora do inferno se contorcia em seu leito...imaginando a hora que  depararia com o caçador.
Abraçada a memoria da mãe seus olhos mantinham-se petrificados e suas mãos transpiravam.
De repente batem a porta e entra uma moça de poucas roupas... uma das prostitutas que Korina mantinha  sob sua proteção.
Ela se aproxima com cautela, com a cabeça baixa e olhar por terra anunciando trazer pistas de um suposto caçador.
Korina sente o peito gelar, e num grunhido ordena que passe -lhe detalhes.
Ao se levantar deixa exposta suas coxas ainda bem torneadas, sua pele não tão bronzeada mais, porém de aparência lisa e macia.
Seus cabelos longos e lisos, metiam inveja.
Sorriu de maneira fria, mostrando seus belos dentes.
Mas a Senhora de Hades não trazia mais o bem no coração...seu lado negro estava muito bem alimentado no ambiente em que vivia,tal como seus olhos o negro dominava todo seu ser.
Korina pede seus pertences e diz que irá pessoalmente atrás desta informação. Sua sede de vingança alimentava sua esperança.
Um uivado se alojou na garganta.
Korina, monta em seu cavalo negro de crinas longas, carregando um embornal nas costas  e na cintura suas armas aparentes. Consigo segue mais dois capangas que não abriam a boca para nada a não ser receber suas ordens.
A caçada é anunciada, e o vilarejo estremece ao ver a passagem de korina,  fica a expectativa... Será que ela encontrará o pai?
E o que será deste duelo?



quinta-feira, 18 de julho de 2013

KORINA A SENHORA DE HADES


Korina...
A moça selvagem agora solta numa selva desconhecida aos seus olhos e costumes, entregue nas mãos do destino e em busca de um passado sem estrada. É assim que a jovem Korina se encontra.
Carregando como bagagem somente as lembranças dos sonhos alucinógenos que tivera quando  ainda se encontrava sob a proteção do seu salvador o homem que aprenderá a amar como pai ,o pajé.
 Ela não conseguia esquecer os  olhos  negros como um abismo do pai caçador e a expressão de dor no rosto da sua loba mãe  em fuga.
Seu peito  inflava em  fúria com uma raiva animal, era o que  alimentava seu corpo.
"A vontade de encontrar o caçador e ter com ele um real combate,
de olhos nos olhos de frieza e intensão proporcionais."
Pelas vielas do lugarejo Korina caminhava olhando para todos os rostos que passavam a sua frente. Homens, mulheres, crianças, e transvestidos ...
Como  caçadora nata ela não deixava nada passar desapercebido.
De uma inteligencia espetacular e uma frieza assustadora Korina foi pegando rapidamente os costumes da civilização. 
Conseguiu acomodações  com o  andarilho que a trouxe, negociava seus objetos por alimentos e vestes. Seu bom gosto foi logo percebido por todos e assim ela se abastecia de informações sobre o homem que buscava.
O tempo passa e o que parecia simples e rápido não era e não foi...
A selvagem Korina agora esta mais selvagem que nunca, porque aglutinou ao seu conhecimento os jogos e armadilhas dos homens civilizados. 
E no lugarejo onde ela habita passa a ser conhecida como Korina " A senhora  de Hades".
Sua convicção está cada dia maior...Encontrar seus pais.

"Muitas vezes, uma pessoa que cometeu um delito acaba por denunciar-se a si própria. E não raro, ao ver-se presa e condenada, fica até contente, sentindo-se aliviada. Isto acontece porque a alma, dada por Deus, foi repreendida por Deus. Porque a alma se comunica com a divindade através do fio espiritual. Portanto, quando um homem pratica o mal, mesmo que iluda perfeitamente os olhos dos outros, não consegue iludir-se a si mesmo. Através do fio espiritual que liga o homem à divindade, Deus conhece detalhadamente todos os atos do ser humano. Todas as coisas que o homem pratica ficam registradas no Livro de Yama ( O Senhor de Hades, o Rei do Inferno)."



quinta-feira, 27 de junho de 2013

UM PÉ NA CIVILIZAÇÃO


Korina não se espanta com o que vê, ela já havia conhecido este mundo através dos seus sonhos.
Mas sentir, tocar, cheirar, presenciar...tudo isto sim era novo para ela.
O gitano providenciara vestimentas para Korina, que vivia tudo aquilo com muita curiosidade.
Foco, foco Korina...mulher de olhos negros e coração frio.
Você lutou pra chegar até aqui. O destino pai da desgraça, traçou esta trama.
Seja ele quem for. jogou com três vidas e sabe Deus com quantas mais...
Jogando com ele,a favor dele, ou contra ele ...não importa, você chegou até aqui.
Bem vinda ao mundo que levou a sua mãe a mergulhar na natureza.
Só você poderá correr atrás do seu passado.
Este mundo, este mundo que hoje se apresenta a sua frente é diferente do  mundo em que você cresceu.
O chão que você pisa aqui, é petrificado.
O cheiro é fabricado e vendido por moeda que você nunca ouviu falar.
Os corpos são cobertos, porque as pessoas conhecem a maldade do sexo.
As plantas que nascem e crescem por conta próprio em seu mundo, aqui vivem em prisões, assim como os pássaros e os animais. Mas não se assuste, os homens civilizados são assim , tudo que eles gostam e enchem seus olhos eles querem prender pra si.
Não conhecem o amor livre, desconhecem a dor da gaiola.
Não conhecem a beleza da chuva , ignoram a necessidade do sol.
As folhas são puro mato..as caças, ah as caças...não passam de carnes podres.
Tão podres quanto os homens que as comem.
Não se isole, não ande só, não confie em ninguém...
Não mostre medo, e não se desarme...os homens civilizados usam a arma da traição, são como os coites que atacam em bando e a noite.
Os conselheiros , os mais velhos...são os jovens trapaceiros que  criaram cabelos brancos.
Korina observa atenta a cada palavra que o gitano pronuncia.
Busca assimilar tudo, como uma aprendiz que é.
Metade de Korina é uma loba, doce , suave, inteligente e linda... linda como sua mãe.
Mas a outra metade...obscura, movida pelo frieza do seu objetivo.
Encontrar a loba e o caçador... o bem e o mal,a graça e a desgraça que deu origem a sua vida!


Ensinamento de Meishu Sama:
O BEM E O MAL
O Bem e o Mal estão misturados neste mundo e se manifestam sob diversos aspectos. A tragédia e a comédia, a infelicidade e a felicidade, a guerra e a paz, são sempre motivadas pelo Bem e o Mal. Mas porque existem homens bons e homens maus? Deve haver alguma causa fundamental que os origina e esta causa precisa ser conhecida.
Evidentemente, todo ser humano deseja ser bom. Ninguém gosta de ser mau. Tanto no campo da política social como no terreno da família, todos, salvo algumas exceções, amam o bem por inclinação natural, porque sabem que a paz e a felicidade não nascem do Mal.
Vou definir o homem bom e o homem mau.
O homem bom acredita no invisível. O homem mau não acredita no invisível. Quem acredita no invisível, acredita na existência de Deus; em outros termos, é espiritualista. Quem não acredita no invisível, é materialista e ateu.
Quando um homem pratica o Bem, seus pensamentos emanam do amor, da misericórdia, da justiça social e, em sentido amplo, do amor à humanidade. Há homens que praticam o Bem por acreditarem na lei do karma. Ajudam os outros por compaixão, imbuídos do pensamento budista de retribuição das quatro obrigações.
Não desperdiçar as coisas, agir com simplicidade e frugalidade – são algumas das manifestações do Bem. O homem de fé sente-se grato a Deus. A atitude de agradecimento, o esforço para submeter-se à vontade de Deus – estão entre as principais manifestações do Bem.
Vejamos agora a psicologia do homem mau. Quem pratica maus atos não acredita absolutamente na existência de Deus. Essas pessoas pensam que podem praticar qualquer maldade para se beneficiarem, desde que consigam fazê-lo às escondida. Têm pensamentos niilistas, iludem os outros como se tratasse da coisa mais comum, prejudicam o próximo sem pensar nas perturbações que causam aos homens e à sociedade. Em casos extremos chegam até a perpetrar assassínios. A guerra é um assassínio grupal. Os heróis da antiguidade provocavam grandes guerras para alimentar o seu desejo ilimitado de poder e procediam de acordo com o lema segundo o qual " a razão está com quem detém o poder".
Mas há um velho ditado que diz: " Enquanto os ventos lhes são favoráveis, o homem vence até o céu; quando o céu decide, entretanto, o homem é subjugado". O homem mau pode prosperar durante algum tempo, mas o seu fim será sempre um destino trágico. Isto é claramente demonstrado pela História. O motivo de sua ruína, naturalmente, foi o mal que praticou.
Essas pessoas, porém, creem que obter vantagens à custas dos outros é até uma prova de esperteza e por isso praticam o maior número possível de atos malignos, para poderem levar uma vida faustosa. Elas também pensam que não existe vida no mundo espiritual e que o ser humano, após a morte, fica reduzido a zero. É através desses pensamentos que surge o Mal.
No entanto, ainda que esses indivíduos tenham sorte, o seu sucesso é apenas temporário. Se as observarmos com uma visão ampla, vemos que um dia acabam sendo infalivelmente destruídas.
Quem erra praticando o mal, vive sempre intranquilo  no terror de ser descoberto e preso a qualquer momento. E torturado pelo peso da consciência, terá de se arrepender fatalmente.

Muitas vezes, uma pessoa que cometeu um delito acaba por denunciar-se a si própria. E não raro, ao ver-se presa e condenada, fica até contente, sentindo-se aliviada. Isto acontece porque a alma, dada por Deus, foi repreendida por Deus. Porque a alma se comunica com a divindade através do fio espiritual. Portanto, quando um homem pratica o mal, mesmo que iluda perfeitamente os olhos dos outros, não consegue iludir-se a si mesmo. Através do fio espiritual que liga o homem à divindade, Deus conhece detalhadamente todos os atos do ser humano. Todas as coisas que o homem pratica ficam registradas no Livro de Yama ( O Senhor de Hades, o Rei do Inferno).



sábado, 8 de junho de 2013

KORINA FALA


korina começa apresentar ardência de febre.
O gitano de alma selvagem começa a buscar em meio a natureza folhas para preparo afim de resgatar Korina de um mal que ele não sabe o qual ela sofre.
Acampados próximos ao rio ele transportava água fresca para banhar a fronte da aborígene que estava totalmente a sua mercê.
Korina em meio sua febre esboça um sorriso para o homem, e ele desconcertado percebe se tratar somente do delírio em que a moça sofre.
Korina com os olhos quebrados , levanta sua mão direita e acaricia o rosto do gitano.
Mãos suaves ele sente, e retribui alisando os cabelos negros de Korina.
Ele dá-lhe mais um pouco de água, e korina balbucia um nome.
Mas sua voz está ainda tão fraca que não dá para compreender.
A atração dele por ela é gritante, trata-se de uma beleza estonteante.
Assim passam os dias entre levantar acampamento, percorrer trilhas, saúde de Korina, deitar acampamento...tocar sua musica, olhar nos olhos , para a beleza da moça e se perguntar: De onde ela vem?
Já  beira da floresta o gitano avista as primeiras luzes de civilização.
Korina agora mais calma segue conduzida pelo homem, em seu coração uma afirmação se faz:
Estou indo de encontro ao meu passado.
E é este homem alto, de olhos azuis e cabelos negros que me levará até ele.
E como um grunhido Korina olha para o gitano com um olhar brilhante  e pronuncia: LOBA.




terça-feira, 4 de junho de 2013

BICHO DO MATO



korina abre os olhos e antes que recupere totalmente os sentidos ela mergulha nos olhos do andarilho gitano.
Um homem alto de pele branca porém queimada pelo sol,
cabelos longos , lisos e negros. Na orelha carregava uma argola de ouro que refletia na luz do dia que despontava.Sua camisa branca semi aberta, calça preta e botas longas de couro , trazia na cintura uma faca, e nas mãos anéis que reluziam.
 Korina acostumada com a imagem dos homens da tribo ficou atordoada, fascinada  e amedrontada a esta altura ao se ver sozinha ao lado de um ser totalmente estranho ao seu mundo. 
E como puro instinto se levanta num pulo e se coloca em posição de ataque e defesa. 
Um rosnar sai de sua garganta, seus olhos negros agora fitam o gitano com um  brilho de desafio.
O homem se levantou lentamente e como um caçador se movimentou.
Dois guerreiros frente a frente...como não havia caça e caçador.
O combate não se fazia necessário... mas o homem se colocou em posição de aguardo.
Korina mostra seu longo corpo esguio, sua pele bronzeada pelo sol, seus seios rijos e seus longos cabelos que balançam na frente do homem que espreitava pelo seu ataque.
O gitano observa fascinado... não podia deixar de observar a beleza encantadora da mulher que se exibia a sua frente completamente nua., seus músculos definiam sua feminilidade ao mesmo tempo que estampavam sua força.
Olhos nos olhos, respirações compassadas, coordenações nos passos e gestos apresentavam ali dois exímios lutadores.
E por um instante Korina  ainda franca sentiu naquele homem a lembrança do caçador caçando sua mãe.
E num uivo estremecedor ela lançou-se sobre o homem, despejando sobre ele a dor que viu nos olhos da sua mãe. 
Sua raiva  de não saber sua verdadeira historia, sua revolta para com o caçador que feriu a ponto de morte a sua mãe. 
Seu corpo grudou no homem numa violência sem tamanho...golpes eram desferidos com o objetivo de mata-lo e vingar-se de  toda sua triste historia.
O homem com sua habilidade e consciência ao ver que  se tratava de um ataque de defesa, conduzia a luta tentando não ferir Korina, que logo começou a dar sinal de fraqueza e tombou desmaiada novamente.
E o gitano agradecido aos céus por encerrar aquela luta, socorre mais uma vez a bela jovem, carregando-a em seus braços totalmente seduzi-lo pela  sua beleza.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

KORINA BRINCOU COM FOGO



Korina se debate para voltar do sonho, mas parece que seu espirito esta preso...
Ouvia os gritos aflitos da aborígine, tenta responder mas não consegue voltar.
Olhou aflita para a mãe que não a via e buscou desesperada encontrar uma forma de retornar.
O corpo de Korina deitado entre as folhas suava frio, sua pulsação enfraquecida, seus lábios estavam brancos como cera.
Então a aborígene assustada saiu correndo para pedir ajuda na tribo, não podia deixar Korina morrer ali.
O tempo passa e Korina continua sua luta para voltar da regressão.
De repente ela consegue acordar..está assustada, atordoada e tonta.
Mas mesmo assim ela se levanta e sai da caverna que se encontrava.
Caminha perdida por entre os matos, sem noção de onde esta. 
Korina caminhou por tempo que não sabia somar, até que cair desmaiada.
Seu corpo longilíneo de curvas definidas de pele bronzeada e macia encontrava-se a merce do tempo.
E por ali permaneceu horas, dias ...não sei.
Eis que um andarilho que passava por ali avistou o corpo.
Assustado, ressabiado e encantado com a visão que aquele quadro lhe ofertava.
Se aproximou e tomou o pulso de korina, que ainda batia fraco, mas permanecia viva.
Rapidamente ele retirou da sua mochila uma manta para aquecer o corpo de Korina.
Molhou seus lábios ressecados, alinhou seus  longos cabelos negros, limpou sua pele e tentou reaviva-la. 
Korina se mexe, mostrando reação. O andarilho então prepara um caldo quente e faz Korina tomar.
Ela então cai agora num sono regenerador.
Encantadora, o que faz uma jovem linda assim sozinha no meio do nada? Pensa o andarilho enquanto prepara uma área para acampar, já que teria que prestar socorro e saber mais sobre esta moça perdida numa floresta. 
Enfim após tudo ajeitado ele pegou um violino e começou a tocar bem baixinho uma melodia suave e melancólica. A noite já está caindo o céu escurece logo na floresta, os pássaros já se recolheram a e lua se mostra faceira e preguiçosa no céu.
Korina abre os olhos ao ouvir a musica que vem do violino e fica encantada sem entender o que estava se passando...
e ao se mexer ela chama a atenção do andarilho  e seus olhares se cruzam, os olhos negros e misteriosos de Korina  mergulham no grande lago azul dos olhos do andarilho.
Um vento forte corta o momento como um doce encantamento.



quarta-feira, 8 de maio de 2013

O SONHO DE KORINA



Korina ainda está deitada em sua rede quando tem a grata surpresa.
Seu pedido foi atendido pela aborígine...a moça roubará a porção desejada por ela.
Com suavidade Korina se levanta da rede e olha nos olhos da moça com uma expressão indecifrada. 
Ambas caminham entre as matas e escolhem um local reservado para que Korina pudesse fazer sua viagem ao tempo. Entram em uma gruta próxima da tribo e dão inicio ao ritual.

Korina cai em sono profundo enquanto a moça olha preocupada com o que pode vir acontecer.

Korina abre os olhos e se vê em um ambiente totalmente desconhecido por ela.

Ela está no quarto de sua mãe.

E vê uma bela mulher de pele clara porém bronzeada de sol, de pernas torneadas e de vestimentas estranhas ao seus olhos. Sua mãe trajava uma camisola de seda e escrevia em seu diário como lhe era de costume.
E enquanto escrevia ela repetia suas escritas em voz alta como se quisesse convencer a si mesma.

Hoje meus olhos se abriram na intensão de meu destino...

O dia passou lento pois tinha a ansiedade da noite, cumpri meu ritual com o pensamento na noite.
Minhas flores, minhas rosas...lindas e  perfumadas. Elas me alimentam, alimentam meu coração.
O coração de uma loba que nasceu de uma dor enorme, de um vazio, de uma solidão ,de uma ilusão...de 
um parto doloroso onde se romperam veias, se esvaíram sangue, se atingiu a exaustão...

Uma  luta de sobrevivência...uma luta pela 

sobrevivência."

Korina via dor no olhar de sua mãe.

Assustada porém curiosa ela se aproxima e 

percebe que não pode ser vista pela mãe.


"Ahhhhhhhhh, existe um coração ferido, isto existe.
Um coração que teve que aprender a sobreviver...um coração que se partiu em mil e que destes mil pedaços nasceram mil lobas...cada uma mais feroz que a outra, famintas , selvagens, ariscas...traiçoeiras.
E eu, eu no meio desta alcateia de fêmeas furiosas....
Hora enfrentando, hora assustada, hora acuada,  mas sempre, sempre sozinha.
Lambendo minhas próprias feridas..."



Korina observa atenta os gestos da mãe enquanto paralelo corre os olhos pelo ambiente com o qual se encanta. Então era aqui que ela vivia?

Sinto em minha volta a presença dos machos, e o  receio das fêmeas.
Mas o que quero...quem eu quero...está distante de ser.
Me dedico ao projeto do trabalho  e é para ele que  vou viver...
Se tenho amor para dar , darei as minhas lentes. 
Se quero demonstrar amor demonstrarei através da minha lente.
Os olhos da loba se vitrificaram...
O coração da loba se vitrificou...

Pari mil lobas,
 lutei com outras mil,
 fui ferida por mais tantas mil  
mas ninguém me feriu mais que um..."

Ferida, ferida sim.... ela foi ferida eu me lembro eu a vi tombando...pensa Korina.

!Um carrasco me criou...nasci por suas mãos.
E não posso negar que de uma mulher frágil me 

transformei nesta loba.

A noite chega, e sinto na garganta a ânsia do uivo....
Corro para meu quarto e lá começa minha transformação...
Arranco minhas vestes  e me deixo nua..."

Korina fica confusa, não consegue acompanhar o raciocínio da mãe.

"De banho tomado passo os cremes suave e continuamente por minha pele , como leves e longas  lambidas.
Caminho para a frente do espelho e vejo um corpo.
A escolha da roupa é que determina meu novo eu... Do recato a sedução...
Irei ao um teatro com meu amigo fotografo, iremos registrar nosso primeiro trabalho para o estúdio.
Com o cabelo preso no gel, carrego na 
maquiagem , olhos bem pretos, cílios postiços, 
meu batom vermelho sangue com um toque 
de gloss.
Meu vestido longo de veludo de seda preto frente unica amarrado no pescoço, com o decote abaixo da cintura...desenha toda minha silhueta.Me deixando bem provocante, bastante sensual.
Minha sandálias carregam uma cobra de metal que envolve meus tornozelos. Nas orelhas dois pontos de brilhantes nos pulsos coloco dois braceletes romanos vazados e meu perfume amadeirado que gosto de usar a noite.

E estou pronta....minha ferida esta camuflada!
E deste trecho Korina só entende o camuflar da ferida.
Confusa e tonta com  tanta informação Korina 
começa dar sinal de exaustão.
E ouve seu nome sendo chamado como bem 
distante dali.
Korina, Korina, você precisa acordar.
Volte Korina, por favor!
- a voz da moça era desesperada sentindo o 
peso da responsabilidade que aquele roubo iria 
ser sobre ela se algo acontecesse com Korina.